betsson

buscar

Celebrando 75 anos de fabricação, o Citroën Type H é sinônimo de força, versatilidade e eficiência

A Citroën tem ampla experiência em veículos utilitários leves, introduzindo o TUB Van em 1938. O TUB foi inovador, com cabine avançada, porta lateral deslizante e tração dianteira, estabelecendo o padrão para veículos comerciais leves. Embora o TUB tenha evoluído, a Citroën busca criar uma nova van mais eficiente, com produção avançada e manutenção simples e acessível.
Publicado em História dia 30/01/2023 por Alan Corrêa

Em 1938 a Citroën inaugurou um segmento inédito até aquele momento, o de veículos utilitários leves. Isso começou com o TUB Van.

O TUB foi inovador, com cabine avançada, porta lateral deslizante e tração dianteira, estabelecendo o padrão para veículos comerciais leves. Embora o TUB tenha evoluído, a Citroën busca criar uma nova van mais eficiente, com produção avançada e manutenção simples e acessível.

Em 1942, durante a ocupação alemã da França na Segunda Guerra Mundial, a equipe de engenharia da Citroën trabalhava secretamente em novos modelos, incluindo o Furgón H ou Tipo H (nomeado após o oitavo lugar em estudos). André Lefèbvre liderou o desenvolvimento, utilizando componentes do Traction Avant para o motor 11 CV, câmbio, suspensão e peças internas do 15 CV, além de peças menores. Condições de trabalho eram difíceis devido à falta de matérias-primas e combustíveis.

Repleta de inovações, van icônica teve mais de 490 mil unidades produzidas

O desenvolvimento do Tipo H começou com André Lefèbvre usando componentes mecânicos do Traction Avant. Pierre Franchiset projetou a carroceria e produziu o primeiro protótipo com base em um monobloco unido a um subchassi dianteiro, sem chassis. A construção em chapa corrugada reduziu o peso e aumentou a rigidez. Dois modelos em escala foram feitos, com uma porta lateral substituída por uma porta de correr no segundo protótipo.

O Tipo H tinha plataforma traseira plana, soluções de lona substituindo painéis laterais e um para-brisa separado em duas partes. Todas as peças foram projetadas para economia, incluindo dobradiças “Yoder” nas portas, tampa do motor e painel da roda sobressalente. Estas soluções também seriam usadas no futuro 2CV.

Modelo usou conceitos de aeronaves e desenvolveu soluções usadas até hoje na indústria

A praticidade foi um fator fundamental no design do Furgón H. Alguns exemplos incluem a tampa do porta-luvas que serve como suporte para um caderno, a porta lateral para descarga rápida e o para-choque traseiro como degrau para descer pacotes grandes. O espelho externo foi adicionado para compensar a janela traseira menor.

O Furgón H foi produzido com três tipos de carroceria: van, transporte de gado e pick-up, com cor cinza. Após a Segunda Guerra Mundial, a produção foi rápida devido ao excesso de veículos militares convertidos em utilitários. O Furgón H foi apresentado no Salão Automóvel de Paris em 1947 e causou grande interesse. A produção começou em 1948 e evoluiu constantemente ao longo dos anos.

Êxito da Type H consolidou história de sucesso da Citroën no segmento de Veículos Utilitários Leves

Novos modelos foram lançados com carga máxima crescente e motores a gasolina e diesel. Em 1969, dois novos modelos surgiram: o IN2 HX e o HW IN2. Em 1972, a suspensão hidropneumática foi adicionada no eixo traseiro.

O Furgón H era versátil e vendido sob vários nomes devido à combinação de motores. Sua lista de usuários era vasta, incluindo padeiros, açougueiros, carpinteiros, jardineiros, médicos e governos. A plataforma flexível permitia mudar facilmente a distância entre os eixos, o que também permitiu aos carroceiros da época personalizar veículos particulares.

O Type H também foi um banco de testes para a tecnologia hidropneumática e testes experimentais de Paul Mages, antes de lançar o revolucionário Citroën DS. Com um total de 490.165 exemplares produzidos em 4 países (a grande maioria na França), a paleta de cores foi composta por 14 cores (incluindo as reservadas aos governos), sendo o cinza o mais comum. A história termina em 14 de dezembro de 1981, na fábrica de Aulnay. Esta última cópia saiu com o número de série 473 289 e era logicamente cinza. Após mais de 33 anos de produção, foi substituído pelo Citroën C25 e C35.

*Com informações da Stellantis.

betsson Mapa do site

1234